Jets Brasil – A Posiciao De Te_Uma IndefIinicao

Arthur Irwin for Jets Brasil on the team’s search for a starting tight end in 2018…

No começo da off season, duas novelas pareciam se prenunciar dentro do loocker room do Jets. A primeira era do ILB Demario Davis que, quando chegou ao Jets, abriu mão de uma boa quantidade de dinheiro para assinar com o time de Nova Iorque e teve um ano bem acima da média. Isso gerou turbulências e desencontros de informações que foram regadas pela falta de atuação de Mike Maccagnan enquanto GM. Mas, a outra é que nos importa hoje: Austin Seferian-Jenkins. O jogador que chegou ao Jets escorraçado de Tampa Bay, mudou o ataque aéreo do Jets e por isso queria realmente um contrato mais vultuoso e foi recebe-lo apenas em Jacksonville.

Com isso, esperava-se que o Jets desse uma olhada mais para o draft que tinha bons talentos como Haiden Hurst e Mike Geisiki, mas o time preferiu se valer da free agency e não de uma free agency imponente, trazendo nomes que teria grande impacto como Jimmy Graham, não, trouxe nomes abaixo do radar como Bucky Hodges (que mal chegou já foi embora) e Clive Walford. Agindo dessa forma, os analistas do Jets começaram a crer que o segundo anista Jordan Leggett que havia sido um dos principais alvos de Deshaun Watson no título universitário de Clemson 2 anos atrás estava de volta com toda a saúde que lhe faltou no primeiro ano.

Bom, isso durou até o início dos treinos. É impressionante. Jordan Leggett faz um treino e fica fora de 2. Com isso, Leggett que parecia ser o principal TE do Jets com folga vai perdendo cada vez mais força dentro do elenco e vê o jovem Christopher Herndon crescer nos treinamentos.

Tirando um pouco Leggett do baralho, é muito complicada a situação de TE do Jets. Dependendo de quem o coordenador ofensivo Jeremy Bates coloque em campo, eu tenho 80% de chance de acertar se a jogada é de passe ou de TE blocker o que é uma verdadeira tragédia para as estratégias de ter um TE em campo. Aliás, historicamente, foi para criar uma certa dúvida nos coordenadores defensivos adversários que os TE conseguiram passar os FB que parecem uma posição fadada dentro do futebol americano.

Dito isso, apesar de a OL do Jets ser um grande problema do time, o que mais preocupa hoje é a seção de TE, já que, mesmo se destacando nos treinos, Chris, tem um joelho problemático desde o College e isso vai ser (não tenha a menor sombra de dúvida) explorado em tackles e demais choques de campo. Com isso, fica a questão, quem vai ficar na rotação de Chris? Walford? Fica a situação bastante complicada e vai ser interessante ver como vai ficar a utilização de TE pelo novo (?) OC Jeremy Bates.