New York Jets – Conclusoes Do Rookie Minicamp?

Arthur Irwin on rookie minicamp for the New York Jets

O rookie minicamp do Jets começou essa semana, mais precisamente na sexta-feira e, claramente, o grande holofote estava sobre o QB Sam Darnold, draftado na esperança de se tornar o próximo QB franchise do Jets. Trata-se de um jogador bastante jovem, até mesmo para um rookie, ele tem apenas 20 anos de idade. Sam teve um baita segundo ano na USC (1° ano como titular) foram 246/366 passes, ou seja, 67,2% com 31 TD e apenas 9 int.

Já no segundo ano como titular (3° em USC) , ele teve um decréscimo, normal, era quase impossível manter o nível do 1° ano, ele acertou 303/480, ou seja, 63,1% com 16 TD e 13 int. O que fez com que ele caísse no colo do Jets.

Contudo, essa carência de QB que a franquia vem sentindo, pelo menos desde a seleção do Mark Sanchez, fez com que a torcida ficasse aguardando um jogador espetacular desde o primeiro momento que ele tivesse contato com o capacete no Jets, isso unido a necessidade midiática de jorrar toneladas de notícias por dia está fazendo um baita estrago.

Darnold sofreu 4 fumbles em dois dias e depois disso Bowles, interferindo no treino e trocando o Center, passou a não soltar mais nenhum. Mas, digamos que, de fato, a culpa fosse realmente de Darnold, que ele não conseguisse segurar a bola bem a essa altura do campeonato, a pergunta que faço é: E daí?

Estamos no mês de maio, até o primeiro jogo do Jets que realmente interessa (na semana 1 da temporada regular contra os Lions) são 4 meses, 2 dias e 10 horas do momento que estou escrevendo esse post. Não há qualquer condição, a mínima que seja, de tirar qualquer conclusão, tanto positiva quanto negativa, da atuação de Darnold baseado no rookie minicamp.

Para apenas não ficar na retórica, pontos positivos foram apontados como a força no braço, a mecânica, a leitura de rotas e aCONCLUSÕES DO ROOKIE MINICAMP?! precisão, foram avaliado num drill sem enfrentamento de pass rusher, sem possibilidade de esquematização de jogada e, principalmente, Sam não teve ainda contato com os melhores recebedores do Jets. Então, mesmo esses pontos positivos, podem se esvair quando todos esses fatores forem colocados ao mesmo tempo em um jogo.

O sorriso largo e demorado de Todd Bowles quando perguntado em entrevista coletiva sobre o que achava do desempenho de Darnold apenas no 1° dia de rookie minicamp foi extremamente informativo, aquele sorriso, pelo menos na minha óptica, foi um “Pelo amor de Deus, neh, gente? ”. Ele, como treinador, sabe que qualquer julgamento que desse, mesmo que inocente ou displicente, seria replicado em cada post dos milhares de sites que cobrem esportes americanos e se interessam pela Big Apple.

O espaço amostral é muito pequeno e muito laboratorial. Nos primeiros drills, por exemplo, aqueles que são compartilhados pela imprensa, quem faz o snap nem é um center, além disso, ele só é exposto ao WR/TE/RB e tem todo o tempo do mundo para firmar os pés e executar a mecânica, tirar conclusões, sejam elas positivas ou negativas de algo tão embrionário é no mínimo raso.