Jets Brasil – Analise Do Draft Do Jets Apartir Do 3

Arthur Irwin for Jets Brasil on day three of the NFL Draft for the New York Jets

Falar de Sam Darnold necessita de um texto inteiro e farei isso, porém, dessa vez, me dedicarei aos outros jogadores draftados, selecionados na sexta e no sábado.

Nesse sentido, foi um draft recheado de surpresas com toda certeza. Os times demonstraram que realmente não ligam muito para mock draft. O Jets foi um deles.

A convicção do time no DT Nathan Shepherd de Ford Hays State não se curvou aos mocks que em sua maioria não colocava esse jogador no 2° round. Além disso, o Jets ignorou a presença do TE Troy Fumagali de Wisconsin que foi extremamente bem badalado há um ano atrás e escolheu o TE Chris Herndon que apesar de um problema no ligamento do joelho tem um excelente potencial e pode auxiliar Leggett e companhia limitada a compor um corpo de TE mais dinâmico, além disso, Chris demonstra o estilo de TE que enche os olhos de Mike Maccagnan: recebedor. Apesar de a função de TE ser dúplice, Mike selecionou Jordan Leggett no draft passado e Herndon nesse draft que são claramente TE recebedores. Além disso, o Jets foi atrás do TE Clive Waltford, ex-Raiders, que tem um perfil bloqueador, ou seja, ele preferiu selecionar alguém no mercado nessas características ao revés de selecionar alguém assim no draft.

Uma das picks que mais me deixou animado foi a Perry Nickerson, CB de Tulane, ele é um jogador extremamente veloz e perfeitamente pode se adequar ao slot onde o Jets teve problemas com Buster Skrine no ano passado, talvez tenha sido uma das escolhas mais previsíveis do Jets e me agrada por não ser um CB3 ou 4 de uma grande universidade, mas um dos melhores jogadores no board de uma universidade teoricamente pequena, isso me deixa muito animado acerca desse jogador.

Quando se pensava que o Jets tinha esquecido a linha defensiva, veio mais um DT, Folorunso Fatukasi. Esse descendente de africanos é muito divertido de ver, extremamente forte, instintivo. Ele conseguiu “humildes” 33 repetições no supino e mesmo assim é muito veloz. A dobradinha de DT demonstra mais ou menos o que aconteceu ano passado com os S. Mike identificou uma need no elenco, adaptou o board e pegou o que na visão dos treinadores era o melhor disponível. Novamente parece ter ouvido bastante o HC Todd Bowles, porque, assim como Maye ano passado, Folorunso é muito físico.

Por fim, o Jets está demonstrando que RB é late round. Concordo com essa visão, já que a classe de RB é uma das mais profundas todos os drafts. Nesse sentido, o Jets selecionou o RB Trenton Cannon de Virginia State. É um RB extremamente explosivo e é muito projeto, contudo o Jets fez a mesma coisa com Elijah McGuire e foi extremamente bem-sucedido tendo em vista o que se esperava dele antes da temporada.