Jets Brasil – Desenhando O Draft Pela F.A.

Arthur Irwin for Jets Brasil on the New York Jets needs heading into the NFL Draft…

Quando se tem um cap perto da casa dos $ 100 milhões, o draft passa a dividir com a free agency as modalidades de transformar o time. O Jets construiu esse cap a duras penas de um ano em que foi motivo de chacota e que teve que passar pela constrangedora situação de ter que provar que o objetivo do time era vencer.

Mas, esse ano as coisas são muito diferentes, com seu costumeiro trabalho brilhante de proteção de informações o GM Mike Maccagnan conseguiu esconder da ávida imprensa nova-iorquina as principais transações. Evidentemente que o foco do General Manager é o draft, mas, a priori, não draftando no 2° round esses $ 100 milhões tem que servir. O time mapeou as principais carências, claramente, o Magic Mike, como é conhecido atribuiu prioridades. A primeira foi a de CB. De fato, é inviável o desenvolvimento saudável de jogo de 2 S segundo anistas (Jamal Adams e Marcus Maye) com o corpo de CB do ano passado. Isso o Jets resolveu de forma muito eficiente. O melhor CB disponível: Trumaine Johnson, ex-Rams que já trabalhou com nosso atual DB coach Dernard Wilson quando o time ainda era em Saint Louis.

O segundo ponto muito questionado no ano passado foi a questão da OL e sem a menor sombra de dúvidas o ponto mais debatido era o de C. Wesley Johnson definitivamente não teve um bom ano. Com isso, o time mapeou alguns possíveis jogadores, achamos Spencer Long. Excelente? Não, mas do estilo de jogo que o Todd Bowles gosta, multifuncional podendo servir tanto para center como para guard. Bowles gosta muito de canivetes suíços na OL. Outro ponto bastante questionado era o corpo de RB. Foi mal ano passado? Não, de forma alguma, inclusive Elijah McGuire se mostrou uma grata surpresa de 6° round, contudo Matt Forté anunciou aposentadoria e Bilal Powell e McGuire não aguentariam sozinho o tranco, o Jets foi atrás de Isaiah Crowell, jogador sólido e jovem que pode contribuir bastante naquilo que o Mike Maccagnan faz que eu chamo de draft atrasado: conseguir jogadores jovens que ele não pôde pegar.

Além disso, outro problema que nos custaria um 7° round seria um K. O Jets parecia ter em Chandler Catanzaro uma figura de transição e a transição foi de apenas um ano: agora o brasileiro Cairo Santos assume a vaga e deve resolver o problema do time na posição por um tempo também.

Nos pontos resolvidos nessa FA, temos ainda a DL, em 2 anos perdemos 2 first rounders: Muhammad Wilkerson que foi para o Packers e Sheldon Richardson que agora chega ao Vikings. Com isso, o Jets continua apenas com Leonard Williams de nome realmente muito bom na linha defensiva. Com isso, o time parece estar indo atrás de Ndamukong Suh, dispensado dos Dolphins, o jogador, já acima de 30 anos, chegaria para compor essa defesa se moldando ao sistema 3-4 adotado pelos jatos.

Com isso, fica delineado para o draft algumas carências, a primeira, na minha visão é G. Primeiro porque estão chovendo bons jogadores de linha nesse draft até mesmo em late rounds o que permite que Mike Maccagnan selecione um bom prospecto para posição, com os debates sobre a qualidade de proteção em zona de James Carpenter e a saúde de Brian Winters, o Jets tem que trazer ao menos algum projeto para compor a linha e ajuda o novo QB que virá da pick 3(?).

Além disso, temos que melhorar o pass rusher. Nesse draft, apesar de nomes como Bradley Chubb e Marcus Devanport desbancarem como first rounders, os outros rounds ainda contam com jogadores muito bons como Jeff Holland de Auburn e mesmo Dorian O’Daniel de Clemson que são muito bons no pass rusher e não devem sair no 2° round.

Talvez, o Jets possa ir atrás também de um OT para desenvolver, tendo em vista que Kelvin Beachum não parecer uma solução longínqua para a posição de LT e mesmo que Brandon Shell continue na evolução que ele está e seja posteriormente transferido para essa posição teremos de desenvolver outro RT.

Além disso, pode ser que o Jets vá atrás de mais um jogador de linha defensiva. Os nomes que os Jets têm para NT não são tão convincentes e a classe vem muito boa.

Por fim, outra posição que o Jets dá muito indicativos que deve buscar no draft é a de TE, com a saída de ASJ o time conta hoje, de destaque no elenco, o jovem Jordan Leggett que terá no seu segundo ano sua primeira temporada já que temporada passada ficou no DM e Eric Tomlinson, TE mais bloqueador, mas que deve chegar bem como elemento surpresa em rotas curtas entre os LB.   

Photo Credit: NFL.com